*Traços

Só a rajada de vento
dá o som lírico
às pás do moinho.
Somente as coisas tocadas
pelo amor das outras
têm voz.


Fiama Hasse Pais Brandão

Dobrei os tsurus como a minha mãe havia me ensinado e lembrei – me dos dedos dela a fazer as dobraduras como se tivesse feito aquilo a vida toda. Tinha habilidade com as mãos, sabia disso desde cedo quando a via nas costuras… a tesoura a cortar os quadrados para a colcha de retalho, o tecido a ganhar contornos de roupas. Mas o que mais me encantava era a maneira que ela criava os desenhos para os bordados.

Ela nunca fizera nenhum curso de desenho e conseguia com suas mãos delicadas – as mesmas que revolvia a terra, no preparo da horta – criar a borboleta pousada na flor no papel vegetal ou em um saco de pão e conseguia transformar o desenho em um bordado. As mãos contornavam o papel com a ponta do lápis e surgiam aves, flores, jardins, castelos e paisagens.

Era uma mulher forte e ao mesmo tempo suave. Os olhos conheciam um a um dos sete filhos com suas diferenças e jeitos. Conseguia arrancar de cada um de nós o seu melhor. Em cada canto da casa seu traço estava explícito. Nas prateleiras dispostas na parede da cozinha de frente para a porta, onde as panelas de alumínio reluziam sobre as tolhas bordadas, feita por ela mesma.

Colhia as flores de lavanda e na água do enxague o cheiro rescendia na casa toda, enquanto os lençóis quaravam ao sol. O rio a margear a tábua de bater a roupa e a pedra, moldada pela correnteza, onde no fim do dia, sentava-se e cantava para espantar o mau agouro. Tinha fé nas coisas simples, seja ela uma pena que ganhava força com o vento ou na ave colorida que roubava os coquinhos na palmeira do quintal.

Os cabelos imensos, ora em tranças, – ou esvoaçante no vento, enquanto secava – ou em um coque perfeito, tal como a canção que falava sobre uma índia: “índia seus cabelos nos ombros caídos negros como a noite que não tem luar “ – que é o que ela era – e traçava os sentidos em nós da alegria de ser… O pai deve ter apaixonado por aqueles cabelos que chegavam abaixo do meio das costas, como uma cascata negra – pensava sempre nisso. Sua presença trazia cores e sons pela casa. A máquina de costura a bordar, as panelas a cozinhar alguma guloseima e a canção antiga na beira do rio, até hoje, traz os traços dela:

“Mandei caia meu sobrado, caiei, caiei, caiei.
Pintei de azul e branco, caiei, caiei, caiei.
Eu pintei de azul e branco, caiei, caiei, caiei.

Mandei pintar na varanda, mandei, mandei, mandei.
Eu pintei de roxo e amarela, caiei, caiei, caiei.
Eu pintei de roxo e amarela, caiei, caiei, caiei.

Mandei pintar na janela, mandei, mandei, mandei.
Eu pintei de verde e cinza, caiei, caiei, caiei.
Eu pintei de verde e cinza, caiei, caiei, caiei.

Mandei pintar meu luar, mandei, mandei, mandei.
Com as cores do arco-íris, caiei, caiei, caiei.
Com as cores do arco-íris, caiei, caiei, caiei.”

Ela era literal – e não há como escrever sobre ela senão literalmente – gostava das dobras… em tecidos ou em papel e de traçar os próprios riscos na bordadura. Conhecia o barulho da máquina e dos ventos. Sabia quando o vento trazia a chuva logo para além da porteira e quando falava da vida, era de poesia que falava. Quando abro os braços e chamo o vento, é nela que penso em sua filosofia de que o vento é o Espírito Santo.

Não dá para saber como as dobraduras de uma arte secular do outro lado do mundo chegou até ela. Imagino que fosse pelos livros – os milhares que ocupavam um baú de mogno moldado pelo pai – com os desenhos feitos por ela eram reverenciados como oração. Acreditava que eles possuíam o poder de não envelhecer e ela não envelheceu.

O movimento de ida foi rápido e desenhado dias antes da partida. O vento era seco e uma mariposa gigante pousou no colo dela. O olho grande, ganhou contornos de conformismo e ela pediu apenas que a arte fosse parte da vida da gente.

“É ela quem dá fôlego quando o ar falta de diversas maneiras. E quando, porventura, faltar apoio nas lutas.”

Não sei de qual luta ela falava. Traçou tantas em tão pouco tempo. Fez diferença em tantas outras vidas como a dela. Ensinou traços a muitas “filhas avulsas “do mundo e virou traço além, em algum lugar em que acredito.

De vez em quando, em um fim de dia, quando o céu expande formas e cores eu me lembro de seus traços e nesse momento faço um tsuru como maneira de seguir a arte que ela tanto amou.

Mariana Gouveia
Agosto é o mês de Tsurus e de B.E.D.A
Participam desse projeto: Claudia Leonardi Obdúlio Ortega Lunna GuedesRoseli Pedroso – Adriana Aneli – Darlene Regina
*Texto publicado na Revista Plural Traços
Scenarium Livros Artesanais

A rota em direção ao meu Norte.

Não tinha endereço na plaqueta da rua nem número em casa nenhuma. A casinha quase a tocar as árvores ao longo da rua, que era estrada… A direção se dava pelos cheiros. As flores do jardim reacendiam na alma a rota do abraço e a lembrança da chaleira sobre o fogão de lenha já alertava meus sentidos para o chá.
Não saberia nomear o sentido das coisas. Algumas, o universo me dá sem ter nome… Outras, me caem como presente divino.
As ervas que vim buscar estavam a secar em um balcão improvisado a espalhar aromas que eu conheço bem.
Ela riu como da última vez que a vi. Eu coube bem dentro do abraço. Depois de levar a bronca por ter faltado ao último São Cosme e São Damião. Fez mil perguntas buscando dentro do meu olhar as respostas reticentes que eu dava. Desconfiava das minhas desculpas…Ria do meu embaraço a falar do tempo. Lia meu olhar como uma carta aberta letra por letra.
Ela conhecia bem meus silêncios e dentro deles muitas vezes foi benção e voz.
A casa tinha seu cheiro de amor em cada retrato de santo na parede e o ramo de arruda na mão a benzer meu olhar. Tomei um banho de chuva. As ervas a envolver minha pele como se dela fizesse parte. A busca pelo meu canto de sempre. O respirar para dentro num ritual que eu já havia vivido e sentido.
Muitas vezes, ali, debaixo do pé de maracujá, eu descobri minha rota de fuga. Mas também descobri o meu norte e mais uma vez busco refúgio dentro do olhar dela. Ela repete gestos em orações e silêncios. A mão toca minha testa como se pudesse com a mão tirar o que me afligia. As horas ali, parecem não pertencer ao mundo dela. O tempo para dentro do tempo.
O rádio de todo dia toca uma canção antiga. Ela se recorda pela milésima vez quando me conheceu e daquele momento em diante eu virei filha – com ar de brava reclama da filha desnaturada que some de vez em quando – e de como derrama seu amor por mim. Eu respiro carinho em cada canto dessa casa que também é meu lar.
O chá fumega espalhando a essência de cura pelo ar. Os biscoitos de nata desmancham na boca e naquele momento eu percebo o quanto sou abençoada e de que preciso repetir mais vezes esses instantes.
Estendo o braço para a simplicidade do toque. Mão leve que toca e pronuncia as palavras certas. Ri de minhas histórias…canta a canção que aprendeu pelo rádio. Pego as ervas depois do abraço carinhoso e vou rumo à cidade.
Ainda posso ouvir a voz dela a ganhar eco na projeção das árvores. As orientações ainda a ecoar na mente e no coração.
Ainda a vejo no portãozinho de madeira a acenar tchaus com gestos de beijos. Ela é toda inspiração de fé e coragem. Ela é a dona dos cabelos brancos mais brancos ainda e jeito gostoso de vó.
Volto energizada, benzida e curada. A vida sempre me dando atalhos com direção certa e eu apenas a dizer sim ao Universo.

Amém!
Amem…
Mariana Gouveia
Agosto é o mês de abraços e de B.E.D.A
Participam desse projeto: Claudia Leonardi – Obdúlio Ortega – Lunna Guedes – Roseli Pedroso – Adriana Aneli – Darlene Regina
*Texto publicado na Revista Plural North and South pela Scenarium Livros Artesanais

Eu não sou Banksy

Quando meu olho alcança essa fumaça que incomoda e o ar me falta dentro dos dias secos eu penso na frase que li: eu não sou Bansky. Porque se o fosse talvez pintasse o fogo apagado antes dele propagar e queimar meio Pantanal, que sofre em meio as chamas.

Scenarium

Por Mariana Gouveia

Dizem que você morre duas vezes. Uma vez, quando você para de respirar e uma segunda vez, um pouco mais tarde, quando alguém diz seu nome pela última vez.
Bansky

Quando meu olho alcança essa fumaça que incomoda e o ar me falta dentro dos dias secos eu penso na frase que li: eu não sou Bansky. Porque se o fosse talvez pintasse o fogo apagado antes dele propagar e queimar meio Pantanal, que sofre em meio as chamas.
Quando o céu cinzento do meu quintal serve de espaço para a pipa do menino da rua de cima eu também não sou Bansky. Se o fosse, soltaria balões com água para que o coração do cerrado não se queimasse.
Quando vejo os rabiscos que desenhei nos muros em um grito agudo para que chovesse, não o sou… se fosse, pararia o vento em uma pintura, para que…

Ver o post original 287 mais palavras

b.e.d.a – Voyer

Deixei a porta aberta para que entrasse tão logo chegasse, enquanto preparava meu corpo para o momento. Liguei o som onde Adele fazia o céu cair no meu quarto. Modo repeat. A cortina laranja esvoaçava com o vento do ventilador. Parecia dança e segui o ritmo.
A calcinha vermelha era um desejo de tempos. Não pela marca, não pelo preço. Mas pela cor. A cor aguçara meu sentido mais ativo e deve ter mexido com todos os outros elementos do meu corpo, já que só pensava nela em meus momentos íntimos. Queria ver a reação dela ao ver o vermelho em meu corpo. Só isso já antecipava prazeres. Tirar da sacola da loja de marca. Vestir depois de um banho tomado já fazia o desejo estalar dentro de mim e a palavra escarlate pronunciada me deixava nua da cor. A cumplicidade absorvida, bebida, sugada. Havia desejos escapando pelos poros. A cadeira confortável na posição que permitia o toque. A mão solene começou passou pela calcinha e suas fitinhas de cetim.
A aliança enrosca e é isso que quero. Mostrar a ela o elo que nos une. A prata reluz na meia-luz e um suspiro indicou presença.
Os seios arfavam na intensidade que os toques aprofundavam. A umidade me pertencia. O dedo passeava por onde conhecia o prazer.
A canção colocada no repeat me fazia seguir seu ritmo e segurar o gozo. Não deu. A voz e o nome dela pronunciado entre o êxtase. O respirar acelerado trouxe uma calmaria depois de tudo explodido.
Uma penumbra não me permitia ver seus olhos. Mas comi seu prazer.
O dedo na boca. Calcinha ajeitada. Ela continuava ali. Voyeur de minhas vontades e desejos e com o som de sua voz rouca que me dizia um poema de Flora Figueiredo, dormi:

“Desse momento escarlate quero a flor,
o beijo, o chocolate…
O riso, a criança e a retreta…
O gozo, a lua, a borboleta…
O caracol, o mi-bemol a alfazema…
Pra quando o vermelho ficar esmaecido,
eu poder conservar meu colorido
nas reticências azuis de algum poema.”

Mariana Gouveia
*imagem: Tumblr
Texto publicado na Revista Plural Red – Scenarium Plural Editora
*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.

b.e.d.a – Carta de Mariana para Alice, no País das Maravilhas

“Quando acordei hoje de manhã,
eu sabia quem eu era,
mas acho que já mudei muitas vezes desde então”.
In Alice no País das Maravilhas


Querida Alice,


É estranho falar com você assim, no meio do meu quintal, através de uma carta – se bem que você já deve ter vivido tantas coisas estranhas que isso seria só mais uma. O meu quintal tem um portão imaginário, que é onde atravesso agora e te escrevo. Tomara que eu não perca a saída quando tiver de ir. O risco é grande, já que é um mundo novo por onde caminho agora.

As borboletas vagueiam por aqui. Pousam em minha mão e buscam as flores da Maria-sem vergonha. Tiro o relógio, Alice, na ilusão das horas não passarem e caso você querer saber se será hora de ir, digo que ainda há tempo. Tempo é essa coisa doida que toma conta da vida e quando você percebe já é tarde demais.

Te conheci ainda criança… quase menina-moça. Ganhei o livro do padrinho que só aparecia em datas especiais, tipo Natal, dia das crianças, aniversários e essas coisas que o mundo mudou com o tempo. Tínhamos a festa da colheita e o pedido era para minha mãe fazer um vestido para mim igual ao seu que vi no livro. Hoje, recordando, lembro que o livro e o vestido se perderam no tempo. Mas, aquele dia em que vesti o “seu” vestido está vivo na memória e posso desenhá-lo a você.

Foram dias de costura… minha mãe se preocupava com cada detalhe e eu, em minha ansiedade de filha ao pé da máquina, a observar o trabalho sendo feito, com mil perguntas sobre os sonhos, enquanto ela ficava a responder quase em sussurros conversava com a máquina que respondia com seu pedal rangendo. Pregava as fitas, fazia o plissado da saia… olhava o livro. Pedia para eu ler e explicava para mim que a ansiedade era normal na minha idade. Eu achava estranho a ansiedade ser normal, mas ela dizia que quando a gente é criança a tendência é achar tudo estranho mesmo.

O azul do tecido parecia esse céu de agora. A maciez do pano me enternecia. E quando vesti, me senti a menina mais linda do mundo. Por alguns instantes, eu fui, Alice! Vestida de você eu fui a rainha da festa e me senti maravilhosa. Os olhos de minha mãe brilhavam e me seguiam a cada direção que eu fosse. Dias depois, ela se foi. Deve estar em algum país no infinito que ainda não sabemos o nome. Virou estrela nesse céu, da cor do seu vestido.

Eu cresci e o vestido se perdeu em algumas dessas mudanças que meu pai fazia. Só que continuei a sonhar com seu mundo e com toda a leveza que as palavras me traziam.

Hoje, vivo a magia da maravilha de viver. Também criei meu mundo de maravilhas no meu quintal, onde os animais têm hora e vez, as borboletas nascem aos montes sempre… e meu pé de hibiscus mutabilis faz a transformação das flores – pura magia. As flores nascem brancas pela manhã e ao meio-dia ganham o tom de rosa mais lindo que há.

O pé de algodão dá flores amarelas e, assim que murcham, preparam seu capucho tão branquinho, que parece as nuvens do céu.

O tempo anda a correr, Alice… tudo passa tão depressa agora, que contando isso para você, parece um século. O tempo voa! Até o meu relógio que fica num tique-taque incessante numa frequência absurda. Ao menos tudo fica meio calmo nas manhãs pouco antes de eu entrar com minha senha do seu mundo para o mundo real. As manhãs é a melhor parte, porque é quando meu beija-flor vem… e pousa no meu colo enquanto converso com meu amor. Vou dizendo sobre o movimento das nuvens e até mostro o laranja a se desenhar no céu. O relógio, por vezes me assusta e, quando percebo, tenho de sair em desabalada carreira porque é hora, e ela não espera. Disso você entende muito bem. Mas quando a hora não antecede os instantes, Alice, é mesmo uma maravilha! O sol percorre o firmamento com seus raios, desenhando cores no amanhecer e muitas vezes ele se encontra com a lua numa explosão cósmica de amor. É a coisa mais linda.

Ah, esse tempo maluco, Alice. Às vezes, nem parece passar… veja você e seus magníficos 150 anos e a leveza de menina ainda.

Suas aventuras são lidas e há sempre uma menina a desejar ser você… e é essa a magia que seu nome traz. É essa a magia de se pertencer ao País das Maravilhas.

Preciso ir, Alice… o caminho se abre diante dos olhos e guardo você dentro do seu mundo enquanto o mundo real me chama. A vida é esse momento repetindo instantes. O resto, é conto de fadas. Então vamos lá vivê-la.

beijos,

Mariana Gouveia
*imagem: Pinterest
Carta publicada na Revista Plural 1900 – Scenarium Plural Editora
*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.


b.e.d.a – Carta ao Coletivo

“Afinal, a melhor maneira de viajar é sentir. 
Sentir tudo de todas as maneiras”. 
Álvaro de Campos

Devo confessar que mudo sempre de lado quando viajo e nem sempre é permitido abrir as janelas. Entre as ruas, enquanto o coletivo se desloca, a paisagem muda completamente. Dos bosques do meu lugar – cada vez mais raros – aos modernos edifícios, as ruas e seus viadutos. As casas antigas e suas vielas.

Lá fora, tudo é barulho. O silêncio acontece internamente. Avisto o cão com seu humano a atravessar a rua. As pombas na praça à espera das migalhas que sobram da barraca de lanches.

É o caminho por onde levo vocês.

Nessa viagem que fiz com vocês, dentro de Coletivo diversificado eu abri cada janela e me deparei na docilidade do Medo de Aden.
 Perdi-me – perco-me sempre com ela – nos Caminhos de Adriana.

Respirei pelos poros de encanto com Pele de Caetano e juntei os Pedaços de Chris. Ingrid me deixou em Silêncio – mesmo – e de um fôlego só, nem suspirei. Cada palavra me abraçou e passou a fazer parte da minha bagagem.

A viagem é essa troca de perceber lugares, se descobrir no olho do outro e foi isso que aconteceu com Gestos de Marcelo. Já Maria Vitória, para mim é aquela pessoa que embarca, e você não para de olhar. Não cansa de olhar. Quer ouvir a voz, saber nome, endereço e seu lugar no mundo. As Memórias dessa menina se uniram às minhas. E quando essa pessoa desce, você quer descer junto e pedir o número do telefone, a cor preferida, e a viagem passa a ser mais sem graça sem ela.

Os lugares do caminho me deixaram sem voz e a minha Boca abre em espanto. A Tristeza de Obdulio me fez refletir sobre o outro que senta ao meu lado e em silêncio carrega sua dor-confusão-guerra interna e revi cada rosto que conheci nesses caminhos.

Virginia me fez movimentar sete vezes em seu Dilúvio de poesias. Quase pequei por desejar eu ter escrito as palavras dela.

Embarcamos em travessias diferentes, estações opostas, mas ligadas entre si e quando todo mundo se encontra o Coletivo ganha de fato, o sentido da palavra embarcar.  A viagem se adere aos detalhes do caminho percorrido, atravessa por atalhos não programados e que acaba sendo a melhor parte da viagem. Passamos a fazer a cidade desperta, insone, comum, original, diferente, como nunca visto e em cada um o gesto novo e com o objetivo é alcançado.

Asfalto e poeira. Poema e poesia. Tempo dos grandes espaços urbanos, das casinhas pequenas nas vilas quase cobertas pelos prédios e pelas suas alturas. O desenho da palavra do lado de fora e dentro, cada um, em seu lugar, caminhantes, tantas vezes de solidão, com suas rotas próprias e o mapa feito da palavra sonhar.

Olho lá para fora e descubro o ponto de chegada – que é o continuar constante de outra viagem – entre o azul intenso do céu e a cidade cinzenta ganhando vida pela janela. A mesma janela que me traz um pequeno raio de sol e agradeço por fazer parte desse Coletivo cuja pretensão é levar até vocês o roteiro. A perceber que o Coletivo é o todo dentro do embarque e que quando chegamos no ponto final já se agigantava dentro da gente uma nova pessoa.

Grata pela companhia de cada um. Que venham as próximas viagens!

Mariana Gouveia
Carta publicada na Revista Plural Trezentos e Sessenta – Scenarium Plural Editora
*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.

b.e.d.a – Carta ao George

Meu caro George,

Quando resolvi te escrever, imediatamente pensei na Revolução dos Bichos – que li lá na minha infância. Aqui no meu quintal, a revolução acontece de forma, às vezes, pacífica entre os “moradores” do meu lugar. Todo mundo tem o seu lugar.

Embora, tenha aqui dois caninos – Lolla e Yoshi – que quase mandam na casa. Assumem os sofás, camas e cadeiras e aceleram na correria quando veem bichos que voam. Mas, quem manda aqui é Chiquinho – meu beija – flor – que se acha quase humano, acredite. Ele ataca qualquer intruso que ousa chegar perto de seu bebedouro ou de mim… apesar de que, os cambacicas – os intrusinhos, nome que dei – rompem essa guarda e conseguem saborear o néctar preparado para ele. Até mesmo nas flores de hibiscos e lantanas ele faz revoar as borboletas e implica com o Louva – Deus que mora logo ali, no pé de boldo. O poder aqui, é dele.

Aqui, tenho a leveza das joaninhas – de várias espécies e cores – e que travam guerra com os pulgões, que insistem em querer comer as folhas do pé de jurubeba e as do algodão. Com ela, minha guerra é com os tamanhos. São tão pequenas, que preciso vistoriar o lugar onde me sento, piso, ando. Até a horta… cercada para que os cães não estraguem viram espaços para elas ou outros insetos oportunistas.

Meu caro George, é dentro desse muro onde resguardo meu lugar que preservo minha lucidez. O sonho de poder aqui dentro é de tranquilidade. Lá fora, a persuasão e manipulação continua tão atuante ou até mais de quando seu livro foi escrito.

“Todos os animais são iguais.
Mas alguns são mais animais do que os outros.”

– George Orwell in,
A revolução dos bichos

A verdade, é que, mesmo com tantos erros não aprendemos e continuamos a errar nas escolhas. Os tempos só mudaram nos dias. Seu livro é tão atual que parece que foi escrito agora.

O fato é que ainda vivemos a indefinição e talvez, isso seja o ponto principal de seu livro:

“Fechai os ouvidos quando vos disserem que o Homem e os animais têm interesses comuns, que a prosperidade de um é a prosperidade dos outros. É tudo mentira.”

Aqui, no meu quintal, o interesse será sempre deles.

Abraço,

Mariana Gouveia
Carta publicada na Revista Plural (F.451) – Scenarium Plural Editora
*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.

b.e.d.a – Carta ao avesso de minha cidade

“Não aguento mais ser chamado de pau rodado
Já tomo licor de pequi, já danço o Siriri
Como bagre ensopado
Sou devoto de São Benedito
Até já danço o rasqueado
Sou devoto de São Benedito
Até já danço o rasqueado


Adoro banho de rio, vou direto pra Chapada
Na noite cuiabana tomo todas bem gelada
Sou viciado no bozó, pescaria e cururu
Tomo pinga com amargo
Como cabeça de pau

Eá, Eá, Eá, só não nasci em Cuiabá
Mas no que eu cresci
Meu bom Jesus mandou buscar”.
(Pescuma e Pineto)

Não nasci aqui, mas de fato talvez tenha nascido. Ou nasci lá…
O nascer verdadeiro foi em outro Estado, e talvez possa ter inventado – eu explico – essa miragem do lugar da minha infância. Mas, quando cheguei aqui e me deparei com ruas circundadas pelas palmeiras já centenárias e ipês floridos… duvidei do que via – e passei a “inventar” minha cidade de morar.
O cheiro do quintal e suas mangueiras a cantar frutos para o vento… Os pés de cajus a servir de comida para os pássaros pareciam desenhados na minha memória. O pomar era no fundo da casa da vizinha… no meu próprio quintal e calçada afora, dentro do espaço por onde passava.
O linguajar do povo em sua melodiosa prece… as igrejas a desejar a fé nos infinitos terços nos dias da semana. O rio que dá o nome à cidade… a abraça até avançar rumo ao Pantanal. Circunda os bairros e dá alimento aos moradores.
As ruas antigas contrastam com o moderno. Ali, onde cato poesia, descubro o avesso desse lugar que amo… Adoro essa rotina radiante de dia de sol e seu calor abundante que colore meu quintal… minha rua – meu lugar.
Mas, amar essa cidade gera conflito… porque ela mudou tanto, e ainda assim, continua igual.
Antigamente, era tranquilo descrever meu amor por ela… na calçada onde as famílias sentavam para contar seus velhos causos. Meus olhos avistavam a vida na leveza do vento que batia nas folhas da mangueira, que me traziam sombra e aconchego.
Eu não entendo mais esse lugar como antes…e, talvez, você perceba que é isso o que me encanta. Já não há mais cadeiras nas calçadas e nem a criançada a brincar de pipa, bolinha de gude e pique-esconde. Tudo se tornou tão distante das vilas, e os prédios multiplicaram aos meus olhos.
Sinto falta dos lugares feitos para mim… onde me encontrava em poesia e rabiscava nos muros os meus primeiros poemas de amor… falava da cor que diversificava em vários tons da cidade verde… do fruto doce – que como presente nasce no meu quintal. Do sol abrasador que me aquecia… e de que eu, insatisfeita, sempre reclamava.
Eu sempre amei esse pedaço de chão e, ao mesmo tempo, tive raiva… quando as ruas se abriram para mim, me envolvendo com as folhagens das palmeiras que ladeava os caminhos por onde eu passava. E eu, menina, corria solta pela vida… sonhando com a cidade sendo notícia no mundo – senhora de si – com suas cores redesenhando o amor que eu sentia.
Vestia de chita, enchia de poesias as vielas. Serenava nas madrugadas frias… umedecia nas tardes de calor.
Reclamava, reclamava e, mesmo assim, longe daqui, queria existir nela…porque
sempre amei desbravar rotas novas, desvendar os lugares secretos. Comer e beber da fonte do rio… na essência pura de alma cuiabana que tenho.
Eu sei que tudo isso está aqui ainda, mas aquela menina… que aprendeu a desvendar o amor que sentia pela sua cidade, cresceu. E o amor…  infinito, cresceu junto comigo, na mesma intensidade do sol que abrasa – e torna especial e único –  meu lugar.
Com o tempo, me transformei em arrogante, pelo simples fato de poder possuir as ruas, e dançar sob os ipês coloridos dos parques, porque queria o melhor lugar para viver. Mostrar ao mundo a beleza que cada canto continha.
Eu andei por aí e, nos becos, descobri que a força da cidade não é mais a ingenuidade de menina. A cidade cresceu também e tomou proporção de gigante. Seu tamanho é efêmero, porque guarda a singeleza do seu linguajar. Ela se tornou maior do que podia aguentar e, ainda assim, permanece intacta na simplicidade.
Já fui para outros lugares, outros amores…  sempre voltei, por vezes insatisfeita, mas com a sensação de que só aqui poderia chamar de lar… Porto seguro.
Ali, entre a ponte que dividia lugares… que guarda meus desejos mais secretos e que, para ninguém descobrir, o vento levou. Aqui, debaixo das árvores que cede a sombra fresca durante o calor… e nas calçadas onde cresci, sentindo o aroma doce do cerrado…
Busco justificativas para tudo o que eu sinto… Ainda me encanta a diversidade… os mil jeitos. A mansidão com que me abraça, mas eu odeio a falta de regras, a desigualdade, a falta de respeito, de solidariedade que existe.
Pode ser que eu me engane ao ver nascer uma flor debaixo de tanto concreto… onde as escadarias me leva aos lugares de fé, ao acreditar ser possível que esse lugar continue o mesmo… e mude. Que os encantos aconteçam nas manhãs em que vejo pássaros tão variados voando no céu cinzento, e pense que ainda é a menina simples que me encantou.

Mariana Gouveia
Carta publicada na Revista Plural Avesso – Scenarium Plural Editora
*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.


b.e.d.a – Carta ao Vento

“Nesta ausência que me excita, tenho-te, à minha vontade,
numa vontade infinita…
Distância, sejas bendita! Bendita sejas, saudade!”
Gilka Machado

Caro vento,

Talvez abrir os braços e te acolher dentro de mim, incorporando roupas e cabelos seja pouco… o que eu quero é redemoinho. Aquele lá da infância onde você surgia miúdo e ia ganhando os beirais dos currais e de repente estava lá, espalhando os lençóis nos varais e as pipas dos meus irmãos.
Você me lembra a liberdade… essa frase solta que calada não tem a força e que represada – igual minha mãe dizia – vai roubando instantes nos quintais vida afora. Você se tornando redemoinho fica igual menino furioso e o infinito se torna tão curto para além das cercas.
Tenho em mim os ideais de sua força… é como a força do mar que ganha do rio as gotas e se transforma em gigante. Já imaginou se cada um de nós tivesse na mente a sabedoria de sua força?
O que me lembro de sua fúria vem pelo olhar de minha mãe – eu, menina olho de poesia e os arames farpados em nossa frente – e a cadeira preferida dela em seu centro e as folhas das palmeiras que circuncidavam nosso quintal viraram picadinhos enquanto seu furor rompia o monjolo, as telhas e além da cerca, a árvore de minha infância.
O medo, é esse bicho troncho, que nem avisa quando é de verdade e quando devemos realmente temer. Voltar é impossível na existência – minha mãe repetia – o olho deve ir além. 
Amanhã é outro dia, ela repetia tal qual a palavra do filme que ela nunca viu, mas ouvia via rádio E o vento levou era mantra aqui.
Esse rompante que ultrapassa as barreiras e invade os varais me fascina – é verdade – e ao mesmo tempo me retrai e se eu disser que hoje consigo lidar com seus avanços, minto.
Você é essa lembrança imperiosa que a mente não consegue apagar e ao mesmo tempo é essa ânsia de vida que acolhe o peito e transforma tudo que toco em redemoinhos.
Sou tão pouca diante dos retratos preparados e sou tão frágil feito pena aos seus olhos. A vida tem a dimensão exata do que você é capaz. Uma onda que escapa do mar e causa rebuliço no campo e arranca as roupas dos varais, mas que não pode comigo quando me permito voar.

Mariana Gouveia
Carta publicada na Revista Plural Redemoinho – Scenarium Plural Editora
*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.

b.e.d.a – Recolhimento

As paredes tinham vultos estranhos. Desenhos sem nexo, letras garrafais e traços levando a rotas que sempre terminavam na porta. Eu vi logo assim que cheguei.
Trouxe as flores que ela gostava. As cortinas balançavam com o vento. Ela olhou além da janela com grades e perguntou sobre todos os nomes que eu lembrava. E até de quem eu nem lembrava mais. Perguntou também das Marias. Havia uma infinidade de Marias em nossa rua!
– Tinha aquela que brincava comigo além da cerca – riu, ao se lembrar.
Essa tinha se mudado no ano passado – pensei em dizer… mas já não fazia sentido.
– Tinha a Mariazinha, que me roubou a boneca que sua mãe fez – a lembrança vaga da boneca preta Maricota inundou nossos pensamentos.
Minha mãe prometeu fazer outra igual, no meio de toda a confusão… mas não deu tempo. Ela morreu antes. Só ficou a promessa… no vazio. E, depois, ela veio parar aqui, nesse lugar de recolhimento, e nunca mais falamos na tal boneca.
Ela olhou as flores com riso no olhar. Cheirou cada uma… Pegou um caderno. Os desenhos saltavam das folhas brancas. O balanço na árvore da infância, o riso quase ecoando no papel. O vento nos cabelos e eu a empurrar dizendo ser a comandante… Braços soltos no ar. Riso largo. Ver o riso desenhado trouxe uma leve ternura… meu retrato parecia voar. Eu, sem palavras. Ela, num gesto mínimo-seu…rasgou a folha e me deu.
Comeu um dos doces que eu trouxe… fechou os olhos e disse que era sonho de toda noite esse sabor.
Eu a abracei, enquanto nossos corações batiam ritmados. Cantei baixinho a canção que ela gostava e a embalei… ela falava sobre abandonos. Alguém abandonara a moça do quarto ao lado. Tinha o nome de Letícia, a pobre. Ninguém a visitava. De vez em quando, repartia os doces que eu trazia com ela, como um meio de adoçar a solidão da moça. Também, no dia dedicado ao jardim, contou-me que fez uma trança em Letícia, que ria… mas permanecia com o abandono no olhar.
Nas paredes, reparei que os poemas se misturavam a nomes e datas. Meu aniversário ali, desenhado dentro do coração, e as mãos dadas entre um pacote com laços vermelhos, “da cor do seu cabelo”, ela disse…
A moça de jaleco branco veio dizer o fim a hora da visita. O abraço longo, enquanto eu ajeitava os cabelos dela… o beijo na testa e a promessa da volta.
Os olhos a encarar o teto. O riso de louca a cada expressão…
– Acho que toquei as estrelas… – ela disse. Eu tinha a certeza de que sim.
Lá fora, uma chuva fina caia.
Lá dentro, na janela, ela escondia a lágrima e ria.
Eu já tinha um poema para escrever e iria desenhá-la na chuva, com os cabelos vermelhos de sempre.
O lugar, visto de fora, parece o paraíso.
De dentro, recolhia a alma das pessoas que ousavam atentar contra a normalidade.

Mariana Gouveia
Texto publicado na Revista Plural 1900 – Casa dos Contos
Scenarium Plural Editora
*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.