InspirAção

Cartas para maio

“A nossa vida é como um vestido que não cresceu conosco”

Scenarium

Sophia de Mello

biografia

Lunna Guedes

coisas esquecidas

Mariana Gouveia

Aceita um café?

Obdulio Nuñes Ortega

SRª. Sophia, aceita um café e poesia?



Sophia de Mello Breyner Andresen

O encontro com a poesia aconteceu muito cedo, quando aprendia versos de cor, ouvindo-os na voz de outras pessoas. Ainda não sabia ler. Seu avô recitava Camões e Antero de Quental. As empregadas da casa, lhe ensinaram a “Nau Catrineta” — uma oração que era rezada em voz alta, em noites de temporal.

Os primeiros poemas foram escritos por volta dos 12 anos. Seu primeiro livro ‘poesia’ foi publicado em edição paga pelo pai. Uma revelação no panorama literário português, pois anunciavam-se já algumas das características da sua arte poética, elaborada a partir de uma linguagem simples e transparente.

Ao longo da sua vida, Sophia olhou o Mundo com atenção muito apurada. Tinha senso de justiça agudo. Uma permanente preocupação com a…

Ver o post original 1.783 mais palavras

2 comentários em “Cartas para maio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.